Aplicação de tecnologia educacional baseada em sistemas interativos

A formação de profissionais utilizando ferramentas baseadas em tecnologias educacionais permite melhorar a curva de aprendizado do aluno e potencializar a presença do instrutor ou professor em um ambiente educacional. Dentre as tecnologias educacionais, a utilização de sistemas interativos é cada vez maior devido aos seus aspectos de envolvimento e imersão que possibilita o aluno vivenciar o aprendizado, isto é, sair do teórico e ir para prática.

A tecnologia de sistemas interativos é utilizada na construção de simuladores para treinamento atualmente empregado para o aprendizado de profissionais de diversas áreas desde piloto de avião, até manutenção de naves espaciais, passando pela formação de soldados militares até médicos. O simulador é um meio auxiliar de instrução que pode ser um dispositivo, programa de computador ou sistema que representa uma simulação. Trata-se de um equipamento que, em treinamento, reproduz as características essenciais de uma missão e possibilita a operação humana direta.

O estudo do professor do Ohio State University, o Ph.D. Edgar Dale, realizado em 1969, dizia que depois de duas semanas, o cérebro humano lembra 10% do que leu; 20% do que ouviu; 30% do que viu; 50% do que viu e ouviu; 70% do que disse em uma conversa/debate; e 90% do que vivenciou a partir de sua prática. Esta pesquisa ficou conhecida pelo nome de ”cone de aprendizado”. Este levantamento do professor chamou a atenção do público, pois pesquisas recentes realizadas nos últimos cinco anos revelam exatamente que quando o aluno é chamado a participar — de forma ativa — ele compreende, aprende mais.

Diante disso, sistemas interativos para treinamento na área de segurança é uma realidade que inicialmente começou com os simuladores de tiros, na década de 80, que tinham o objetivo de treinar os profissionais para uma melhor destreza com a arma de fogo e chega aos dias atuais, no século XXI, com os simuladores de abordagem que permite treinar os profissionais no uso progressivo da força que vai desde a presença física desse profissional, passando pela verbalização e chegando até a impostação da arma de fogo e por fim o seu disparo.